Quinta-feira às 23 de Maio de 2024 às 07:38:03
EM CAMPO LARGO 13º | 27º
Geral

Campo-larguense lança livro que traz história da indústria têxtil

O que Santa Catarina tem a ver com a roupa que você veste? Mostrar a resposta dessa pergunta é a principal missão da obra “Arte e técnica do vestuário em Santa Catarina”, livro coordenado pela campo-larg

Campo-larguense lança livro que traz história da indústria têxtil

O que Santa Catarina tem a ver com a roupa que você veste? Mostrar a resposta dessa pergunta é a principal missão da obra “Arte e técnica do vestuário em Santa Catarina”. O livro mostra a moda para além do senso comum: revela a ligação entre artesãos, empreendedores e toda a cadeia produtiva. O projeto, lançado na terça-feira (11) no Centro Europeu, em Curitiba, é a primeira fase de um retrato da produção têxtil brasileira, começa em Santa Catarina, mas vai percorrer o Brasil nos formatos impresso, digital e audiovisual.

O livro, escrito pela jornalista Astrid Façanha, que acompanha o desenvolvimento da moda nacional, tem como coordenadora e editora a jornalista campo-larguense Heloísa Garrett.

Na publicação, o leitor conhecerá a história de um segmento que há 130 anos faz de Santa Catarina o terceiro maior polo produtor e exportador da cadeia têxtil brasileira. A vocação e o dinamismo desta indústria faz do Brasil um dos poucos países do mundo com ciclo completo da cadeia produtiva.
“Nunca mais colocar uma camiseta será só uma camiseta”, destaca Heloísa, detalhando que foram quase um ano e meio de trabalho, mais de cinco mil quilômetros percorridos e muita história sobre a indústria têxtil de Santa Catarina. O próximo livro que será lançado contará a história do Paraná neste ramo. Heloísa, que nos últimos anos estava mais focada no lado empresarial, comentou que foi um grande aprendizado resgatar a essência de jornalista.

Rafaela Tasca, também editora do livro, afirmou que foi uma honra tecer os fios desta história. “Achava que seria uma ação na indústria têxtil, mas vejo que é uma obra referencial, transcendeu as barreiras. Ficou um trabalho muito interessante. Hoje o casual é moda e conquistou a alta costura.”

Astrid comentou que o trabalho também busca a valorização dos produtos, pois não só se adquire uma peça de roupa, mas sim toda uma construção cultural. “Fiquei deslumbrada com o que encontrei de história. É uma produção que vem desde a fibra até a marca, com mão-de-obra e cultura local. Marcas de luxo como Dior e Louis Vuitton desfilando moda casual.”

Heloísa explica que este projeto foi um pedido da indústria têxtil Rovitex, que surgiu da empresa Hering, em comemoração aos 30 anos de fundação. Os empresários queriam aproveitar a oportunidade para mostrar que muito da moda vem de Santa Catarina. O projeto acabou tomando grandes proporções e agora será uma série de livros, incluindo o Paraná e também a nível nacional falando da moda fora do país com influência da moda brasileira. O projeto internacional será patrocinado pela Lektra, empresa francesa de tecnologia para indústria de design. “Não tinha ideia desta proporção. Estamos muito realizados com o resultado”, destaca Heloísa.

Com dinamismo, dados, recursos fotográficos e ilustrações documentais, o livro é resultado de 18 meses de pesquisa e imersão que traz à tona, em três capítulos, a relevância artística, cultural e social dessa indústria que mudou comportamento, valores e a economia do país. Desenvolvido pela The Way, o projeto foi coordenado pela jornalista Heloisa Garrett e é o início de um trabalho que vai percorrer todo o Brasil mostrando a força e as peculiaridades desta indústria.

A tiragem é de dois mil exemplares, que serão distribuídos gratuitamente. Destes, 1,6 mil livros serão destinados a escolas públicas, bibliotecas, universidades, museus e centros culturais. Também haverá versões em “audiolivro”, garantindo a acessibilidade, e online, por meio de um link para download gratuito no site do projeto. O Arte do Vestuário foi viabilizado pela Lei Rouanet de Incentivo à Cultura, com investimento do grupo Rovitex.

Outro diferencial é o fato de este ser o primeiro projeto cultural editorial que usa Inteligência Artificial para promover o conteúdo. Por meio da tecnologia Watson, da IBM, os temas abordados serão promovidos com internautas, que vão poder se conectar de uma maneira singular através de respostas inteligentes e instantâneas.