VERSÃO IMPRESSA
anteriores
EM CAMPO LARGO 17º | 31º
Quinta-feira | 19 de Outubro de 2017 04:58

Sindimovec

IPTU mais caro e sem debate com a sociedade. A proposta de reforma tributária que o executivo municipal enviou para os vereadores de Campo Largo vem sendo debatida. Porém este diálogo não leva em consideração a opinião dos trabalhadores.

Por: Sindimovec

“Se o Sindimovec não fizesse parte do Comude, não estaríamos aqui”, falou Adriano Carlesso, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Campo Largo, na sala de reuniões do gabinete municipal de Campo Largo, na manhã do dia 21 de setembro. O dirigente sindical acredita que os trabalhadores estão sendo deixados de lado das discussões que impactam diretamente em suas vidas, situação diferente do próprio slogan de campanha do prefeito: “vamos fazer juntos”. A outra entidade não ligada ao empresariado que estava na reunião era o Sindicato dos Servidores Públicos do município.

A reunião foi convocada pelo Conselho Municipal de Desenvolvimento Econômico de Campo Largo (Comude), com o objetivo de discutir o Projeto de Lei número 33/2017, que altera o Código Tributário do Município. Além dos representantes do Conselho, estavam presentes: o prefeito Marcelo Puppi, sua equipe técnica, representantes da Câmara de Vereadores, a Ordem dos Advogados, Sanepar e a imprensa.

“Essa pauta precisa ser debatida através de audiências públicas. Não podemos esquecer que a representatividade dos trabalhadores aqui é mínima e eles serão os principais afetados. Temos vários sindicatos na cidade e eles não estão sendo chamados para o debate em defesa de seus representados”, aponta Carlesso. Outra posição do Sindimovec é que “não é possível que uma cidade se desenvolva sem ouvir a classe trabalhadora. Além disso, um Projeto de Lei que aumenta o valor do IPTU não pode ser restrito à opinião dos empresários, que, em um contexto geral, tem pequena representatividade na cidade se comparada à totalidade da sua mão de obra”. Projeto de Lei (PL)

A alteração tributária, de acordo com o prefeito Marcelo Puppi, tem como objetivo adequar Campo Largo às demandas econômicas atuais e cumprir exigência do Ministério Público em relação ao chamado “valor venal” que está muito longe da realidade do mercado. Hoje, o município está com uma porcentagem de recursos próprios que não chega a 20%. O chefe do executivo municipal comparou esta porcentagem a Pato Branco, também no Paraná, que possui 40% de recursos próprios.
Caso aprovado na semana que vem, na Câmara de Vereadores, o PL irá aumentar em aproximadamente três milhões de reais a arrecadação de Campo Largo. Atualmente, com IPTU, o município recolhe aproximadamente sete milhões de reais.

Puppi explicou ainda que aumentar os recursos próprios é importante, pois impacta na negociação com os poderes federais e estaduais, já que há uma exigência legal para que as cidades apresentem, como contrapartida, seus recursos para conseguir investimentos.

Comude

De acordo com o presidente do Conselho Municipal de Desenvolvimento Econômico de Campo Largo, Bruno Boaron, é necessário promover mudanças tributárias, porém não de uma forma que impacte na vida dos trabalhadores de baixa renda. O representante do Conselho apresentou a ideia de escalonar o valor reajustado, com uma redução dessa porcentagem a cada ano.

Além disso, foi sugerido pelo Comude que a Prefeitura apresente, de forma transparente, o destino desse valor arrecadado, caso o Projeto seja aprovado pelo Legislativo.

 

3326 visitas






Sua Opinião





  • Por Curuja - 24 Setembro 2017 | 06h24min

    Existe um grupo desenformado que tenta tumultuar a gestão do ilustre prefeito de Campo Largo, vem lá das bandas da Ferraria, é pracabá KKKKKKKKKKK

  • Por Gilmar - 23 Setembro 2017 | 11h19min

    Então pessoal vou deixar um recado aqui não só aos leitores da folha mas também a esses indivíduos vereadores e ao prefeito primeiro criem projetos para melhorar a vida dos campolarguenses não para ferra Los principalmente para quem tem baixa renda em nossa cidade o qual hoje representa 37% para vcs vereadores e a senhor prefeito e vice efica fácil pagar seus impostos pois vcs ganham salários altos e exorbitantes oq vcs ganham e u mês há muitos que não ganham e um ano portanto senhores parem de de quererem ser o heróis pensem na população não em vcs pois a população está de olho para cada ação há uma reação em 2020 ela será visível.

  • Por Validio Ribeiro - 23 Setembro 2017 | 11h19min

    A meu ver é mais uma manobra esperta do nosso executivo, que de forma alguma quer reduzir a pesada folha de pagamento e outros benefícios, estes não revertidos a nós que os pagamos, lamentavelmente estamos diante de mais do mesmo.É admirável ver como rapidamente descobrem formas de tirar mais dinheiro do tão sofrido povo para cobrir a ineficiência de gestão e manterem as tão caras regalias do poder!

  • Por Zeruela - 22 Setembro 2017 | 15h54min

    Acho que este sindicato deveria se preocupar com ua categoria que esta abandonada, em vez de ficar ocupando cargos de cabide emprego. Nao cuida nem da sua categoria vai querer se meter em problemas da prefeitura.

  • Por RICARDO FRANCO - 22 Setembro 2017 | 13h24min

    o que diz o artigo 150 e o nono do codigo tributario nacional vamos analizar pessoal



Últimas Notícias