VERSÃO IMPRESSA
anteriores
EM CAMPO LARGO 13º | 21º
Quinta-feira | 30 de Março de 2017 11:33

Affonso estará ausente na posse de Marcelo Puppi

O atual prefeito de Campo Largo não estará na cidade no dia 1º de janeiro de 2017, data da posse do novo prefeito, Marcelo Puppi, e não passará o cargo pessoalmente. “Nunca recebi o cargo de nenhum prefeito", afirmou.

Por: Luis Augusto Cabral

12/12/2016

O atual prefeito de Campo Largo, Affonso Portugal Guimarães, não estará na cidade no dia 1º de janeiro de 2017, data da posse do novo prefeito, Marcelo Puppi, e não passará o cargo pessoalmente. “Nunca recebi o cargo de nenhum prefeito, estarei na cidade até o dia 30, no dia seguinte viajarei com a minha esposa”, disse o prefeito, em entrevista exclusiva à Folha de Campo Largo, em seu gabinete.

Affonso, que recebeu o prefeito eleito Marcelo Puppi na manhã de segunda-feira (05), juntamente com as duas equipes de transição para assinatura do Documento de Transição, disse que o processo está sendo tratado com transparência e respeito, com base na Lei da Transição, que ele encaminhou à Câmara e sancionou em 2001. Lamentou a brutal queda de arrecadação do Município, nos últimos anos, e disse que fez e está fazendo o que é possível, apesar da escassez de recursos.
Dificuldades

Affonso disse que os recursos de transferência federais, para o Município, caíram mais de 5% e que, somados à inflação, chegam a 13% só em 2016. São recursos importantes, que fazem falta a qualquer cidade. Também lamentou a queda dos recursos da Assistência Social e disse que dificilmente as cidades terão novos recursos nos próximos anos. “Não há confiança, não há reação”, disse ele, adiantando que falta dinheiro para tudo e que cada vez mais as despesas aumentam, inclusive a folha de pagamentos.

Sobre as obras ainda em  andamento na cidade, o prefeito disse que a empresa responsável pela pavimentação das ruas no entorno do Hospital do Rocio deve ser substituída, por não estar cumprindo as obrigações contratuais e acredita que até o final do ano ou no mais tardar em janeiro, as demais obras de pavimentação e recape, no Centro e nos bairros próximos, estarão concluídas. Falou da Arlindo Chemin, com saída para a Natal Pigatto, da Antonio Pianaro, a Dom Rodrigo e a Teodoro Kochinski, dentre outras.

Sobre a situação das ruas esburacadas, no Centro e bairros próximos, o prefeito disse que toda a malha viária da cidade está deteriorada, porque tem mais de 25, 30 anos, e que a cada chuva a situação fica pior. “Não temos recursos para tapar os buracos da cidade”, acrescentou.

Pessoal
O prefeito lembrou, ainda, que as secretarias necessitam de novos funcionários, para funcionar, mas as despesas com a folha de pagamento estão no limite da Lei de Responsabilidade Fiscal. Hoje a cidade tem 2.860 funcionários efetivos e cerca de 400 indiretos, e há falta de pessoal em todas as secretarias. Lamenta, adiantando que essa situação, que não é privilégio de Campo Largo, deve perdurar por muito tempo, até que as cidades recuperem suas receitas.

Sobre o seu futuro político, disse que não tem mais idade nem saúde para concorrer a qualquer cargo público, mas que não vai deixar de fazer política. “Vou cuidar da minha família”, disse ele, lembrando que, nesses quatro anos fez muita coisa boa para a cidade, destaca o convênio com a Universidade Positivo, que vem reforçar a área de Saúde da cidade, a construção de quatro creches e a reforma de 15 escolas, em andamento.

Quanto ao convênio com Israel, o prefeito disse que o assunto está sendo tocado pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano, e que o foco será a Segurança. “Trata-se do projeto Cidades Inteligentes e o Município já assinou o convênio com o Governo do Estado e o Consulado de Israel, juntamente com as cidades de Paranaguá e Pato Branco”, disse.

10965 visitas








Sua Opinião





1 2 >>
  • Por eu mesmo - 07 Janeiro 2017 | 14h28min

    E este tonto esteve presente entes 4 anos, por acaso???

  • Por ze merenda - 28 Dezembro 2016 | 12h18min

    Bem, se ja estava ruim antes , de agora em diante acho que vai azedar o bolo de vez . Alexandre contra ,,,,,,,,,,,,,,,,, pegar uma cidade na cova , desse jeito .. . . . . É , tamo fudido .

  • Por Arnaldo - 18 Dezembro 2016 | 15h17min

    100% não foi pois se fosse estaria reeleito, agora esperar milagres do próximo prefeito é sonhar alto....acreditar em papai Noel e fada madrinha....quero só assistir os 04 anos de "milagres" que todos esperam....campolarguenses Se acostumam com buracos...falta de remédio...falta de segurança....o negócio é ir morar na terra da primeira dama Margarita...

  • Por Mario Jorge - 16 Dezembro 2016 | 06h55min

    O prefeito deveria ser honesto em sua analise e explicar porque a cidade não tem uma rua sequer sem buracos, na cidade não há cardiologista que atenda a prefeitura, alguns remédios básicos estão faltando nos postos de saúde, as obras foram paralisadas, inclusive as placas que identificavam as mesmas também foram retiradas em suma uma péssima administração que deverá pesar na hora do voto das futuras gerações campo larguenses, chega de hereditariedade.

  • Por Mileo - 14 Dezembro 2016 | 15h45min

    Também depois da surra que levou nas urnas, tem que se esconder mesmo.

1 2 >>