VERSÃO IMPRESSA
anteriores
EM CAMPO LARGO 14º | 22º
Terça-feira | 12 de Dezembro de 2017 10:26

Inverno pede maior atenção aos cuidados com a saúde dos idosos


Por: Colaboração Caroline Paulart com supervisão Danielli Artigas

A média da população idosa cresceu muito no Brasil em 10 anos, conforme o último levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, que apontou que 14,3% da população total pertence à terceira idade, com 60 anos ou mais, e a expectativa de vida chegou aos 74,4 anos.

Visto isso, é importante dar qualidade de vida aos idosos, protegê-los em épocas frias, por isso a Redação da Folha de Campo Largo aproveitou a chegada do inverno, no último 21, para saber algumas medidas de prevenção das doenças mais comuns nessa época do ano. O médico Tadeu Resnauer explica que existe uma razão biológica para que os idosos sejam mais vulneráveis às doenças no inverno. “Ao longo da vida, todos nós temos uma condição imunológica determinada. A partir da terceira idade, essas condições começam a declinar, diminuir, então essas pessoas já não têm a mesma imunidade de quando era jovem. Isso faz com que elas fiquem com as defesas mais ‘fracas’ e propensas às infecções, não só durante o inverno.”

“Desse modo, as diferenças de temperatura, o frio e a chuva, acabam sendo uma agressão ao organismo, à integridade física, especialmente quando ele está um pouco mais debilitado e acabam determinando algumas condições para que a pessoa tenha maior probabilidade em ficar doente”, completa.

Entre os quadros mais comuns durante a época são os respiratórios, alérgicos, doenças de pele - como micoses, por exemplo, infecções urinárias e otite. “A grande questão são as complicações que vêm junto das doenças. Um exemplo é a gripe, que dura em média sete dias, mas que se não cuidada, expondo-se ao frio, chuva, somada à baixa imunidade, pode virar uma pneumonia, uma bronquiopneumonia, e levar à morte”, alerta o médico.

Para evitar as doenças do trato respiratório, a indicação do Dr. Tadeu é evitar a todo custo o choque térmico. “Sempre indico aos meus pacientes que cubram o nariz e os ouvidos ao trocar de um ambiente quente para um ambiente frio, isso independente da idade. Pode ser com um lenço, cachecol ou casaco mesmo, mas não respire o ar gelado, pois isso pode aumentar alergias, como rinite, ou até mesmo uma infecção no ouvido”, orienta.

O médico explica que durante o inverno as pessoas tendem a tomar menos banhos, o que provoca o aparecimento das micoses. “Não é algo difícil de tratar, mas que provoca incômodo. É provocado por fungos, que gostam de lugares quentes, úmidos e escuros, algo muito comum no inverno, assim por dizer. Geralmente aparecem nas dobras da pele, como axilas, entre os dedos dos pés e inguinal, próximo à virilha. A frequência no banho é fundamental para evitar o surgimento desse tipo de doença”, recomenda.

Já as infecções urinárias surgem principalmente porque a ingestão de líquidos nessa época diminui. Dr. Tadeu conta ainda que essa condição é mais comum em mulheres do que em homens, para isso, a recomendação é buscar ingerir líquidos com maior frequência nessa época.

Vacinação
Quem pertence à terceira idade não pode deixar de tomar a vacina contra a gripe, gratuita nos postos de saúde do município. Segundo o médico, a imunização evita que seja contraída a gripe, considerada uma virose nessa época do ano, e evolua para casos mais graves.

Receita para aumentar a imunidade
Existe uma forma bastante simples de aumentar a imunidade na terceira idade. “Seja feliz. Aproveite sua vida. Dedique tempo para fazer coisas que você gosta. Tenho pacientes que se sentem renovados somente em ver um pôr-do-sol. A felicidade aumenta a imunidade, e isso é comprovado por pesquisas. Não podemos esquecer que viemos ao mundo para nos divertir, inclusive na terceira idade”, finaliza.
 

5358 visitas








Sua Opinião