VERSÃO IMPRESSA
anteriores
EM CAMPO LARGO 17º | 26º
Sábado | 21 de Janeiro de 2017 17:29

Novembro Azul

O câncer de próstata é o segundo câncer que mais atinge homens no Brasil. Urologista fala sobre o assunto.

Por: Colaboração Caroline Paulart com supervisão de Danielli Artigas

18/11/2016

Este sábado (19) é conhecido como o Dia Internacional do Homem, na tentativa de promover ainda mais a necessidade dos cuidados periódicos com a saúde masculina. A iniciativa de reservar esse dia para passar a mensagem veio pelo médico Jerome Teelucksingh e com o apoio das Organizações das Nações Unidas (Onu), ainda em 1999, em Trinidad e Tobago.

O mês de novembro foi criado pela Sociedade Brasileira de Urologia, com a intenção de alertar sobre o câncer de próstata, o segundo tipo de câncer que mais mata homens no mundo. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a estimativa para esse ano são de 61.200 novos casos de câncer de próstata. Em 2013, dados mais recentes disponibilizados pelo  Datasus do Sistema Único de Saúde (SUS), 13.772 homens morreram por causa da doença, que se diagnosticada precocemente e tratada, pode obter sucesso e a estimativa é que um a cada seis homens tenham câncer de próstata no futuro.

Segundo o médico urologista Luiz Augusto de Souza, a grande maioria desse tipo de tumor surge de forma silenciosa e muitos homens só procuram o médico quando sentem que algo está errado. “Estávamos diante de uma situação na qual só faríamos o diagnóstico nos estágios tardios, nos quais os tratamentos não são curativos. Entretanto, nas fases iniciais o tratamento atinge 98% de cura. Portanto a única condição para ter risco de câncer de próstata é : ser homem e ter mais de 50 anos de idade. Sendo o histórico familiar de câncer de próstata o real fator de risco.”

De acordo ainda com o médico, fatores como cor da pele ou orientação sexual não interferem no aparecimento da doença e não podem ser associados aos casos, e enfatiza que o exame é de extrema importância para o diagnóstico. “Acima de tudo, a campanha só atenderá os objetivos se todos os homens com 50 anos ou mais, ou com 45 anos naqueles com antecedentes de doença prostática na família, assintomáticos fizerem o exame para detecção precoce, anualmente”, orienta o médico.

Os exames realizados para o diagnóstico são laboratoriais e o toque retal. “Neste conseguimos sentir se há alguma nodulação na glândula. O toque tem 95% de precisão, o que o torna fundamental. Um alerta deve ser feito aos homens que fazem apenas o Antígeno Prostático Específico (PSA). Esta exame tem suas virtudes e suas deficiências e portanto não pode ser o único fator para dizer se alguém tem ou não câncer. Este é um erro que inclusive pode retardar o diagnóstico e tratamento adequados”, esclarece o médico.

O que é o câncer de
próstata e quais os sintomas

De acordo com o Inca, o câncer de próstata é causado pelo aumento desordenado de células da próstata, responsável pela produção de parte do sêmen e que está localizada na parte baixa do abdômen, abaixo da bexiga e na frente do reto. Em caso de câncer, essa glândula endurece.

Entre os sintomas apresentados por aqueles que já tem a doença, estão o desconforto urinário, aumento da frequência urinária à noite, jato urinário mais fraco que o comum, presença de sangue na urina. Em fase avançada a doença pode provocar dor óssea, insuficiência renal e até infecções generalizadas.

O tratamento varia de acordo com o diagnóstico, mas podem ser feitas radioterapias, cirurgias com tratamento hormonal. Em casos de metástase – quando a doença se espalha pelo corpo, é indicado tratamento hormonal.

Porém, o Dr. Luiz Augusto enfatiza que é importante fazer exames periódicos, sem necessariamente apresentar sintomas. “Além do exame, durante esta consulta, procuramos outras possíveis doenças urológicas, infecções, queixas sexuais, urinárias, entre outros”, finaliza.

1865 visitas










Sua Opinião