Segunda-feira | 12 de Abril de 2021 01:11
EM CAMPO LARGO 16º | 20º  
Geral

Cemitério Santo Angelo terá três capelas novas em breve

Em 2020 o Cemitério Santo Angelo passará por uma execução de obras para a construção de três novas capelas, banheiros, centro administrativo e estacionamento coberto

Em 2020 o Cemitério Santo Angelo passará por uma execução de obras para a construção de três novas capelas, banheiros, centro administrativo e estacionamento coberto. Além da demolição das duas capelas que funcionavam anexo ao cemitério antigamente, também será usado um espaço para trás, próximo às casas que foram construídas e à academia para idosos, pois o terreno é do Município.

Adriana Rivero Santana, secretária adjunta de Atendimento ao Cidadão, explica que as pessoas que construíram casas na área, que são consideradas irregulares, não serão despejadas, porém o muro da edificação ficará muito próximo das casas, quase “rente” às edificações. O Santo Angelo foi inaugurado em 1988 e desde então passou por poucas reformas. Essa desambientação já foi feita.

“Quando o arquiteto fez a planta, ela teve que passar por uma revisão da Engenharia, e nela foi constatado que a estrutura não era suficiente, precisava ser fortalecida. Foi pedido para mudar a estrutura do telhado. Porém, após as mudanças, ainda precisará passar pelo orçamento, só então abrir a licitação. Mas, acredito que antes de janeiro ou fevereiro essa licitação não sairá, justamente pela parte burocrática que precisa ser cumprida”, explica.

A Prefeitura de Campo Largo, atualmente, dispõe de quatro capelas, que estão localizadas na região central, próximo ao Cemitério Municipal. Embora pareçam poucas, estão atendendo a necessidade da população campo-larguense, pois a cidade ainda conta com capelas particulares na Rondinha, Botiatuva, Bateias e Ferraria. As capelas do Centro também passarão por uma reforma, essa que será licitada juntamente com a obra do Santo Angelo.

Quando as três capelas estiverem construídas no bairro Bom Jesus e já estiverem finalizadas, prontas para uso, as centrais serão fechadas para a reforma – porque após as chuvas de pedra, o telhado, por exemplo, terá que ser refeito, banheiros, troca de piso, conserto de infiltrações, além de outras melhorias.

Está entre as necessidades do Cemitério Municipal mudanças no encanamento, que ainda é de ferro, dos anos 40, quando foi estabelecido o novo local, porém essa troca demanda tempo e dinheiro para ser executada.

Um fato curioso sobre a capela mortuária de Bateias, que pertence à Arquidiocese de Curitiba, é que ela foi doada para Campo Largo no ano 2000, após o envio de uma solicitação de doação do terreno, enviada pelo então prefeito Newton Puppi. O Dom Pedro Fedalto respondeu com um ofício dizendo que estava doando o terreno, porém, com as mudanças de administração isso não foi finalizado. “Eu encontrei esses documentos, enviei para eles novamente e eles responderam favoráveis à doação. Porém, nós batemos em um trâmite burocrático, no qual, precisa ser contratado por parte da Arquidiocese de Curitiba uma empresa que fará a topografia, deixar todos os documentos certinhos, para então a doação ser efetivada, o que deve acontecer em abril de 2020, após 20 anos do primeiro pedido”, diz.

Em Campo Largo não há cobranças de taxas anuais – uma das únicas cidades da Região Metropolitana – e as reformas que foram feitas – como pinturas e melhorias nos cemitérios municipais – foram feitas com recursos próprios do Município. Não há uma arrecadação específica para os cemitérios, as taxas de obras e reformas que são feitos pelos proprietários, por exemplo, vão para os recursos livres da Prefeitura, sendo dividido em todos os setores.

Para essa Secretaria são enviados recursos conforme apresentação de demandas.
No ano passado, dia 25 de outubro, foi feita uma licitação para garantir uma maior segurança no Cemitério Santo Angelo, que visava instalar câmeras de vigilância e monitoramento. Embora o resultado já tenha saído, as empresas participantes estão brigando na justiça pelo direito em assumir essa supervisão. Enquanto não há uma decisão definitiva, a licitação segue embargada.

Reformas realizadas
São esperadas mais de 30 mil pessoas passando pelos cemitérios municipais entre os dias 01 e 03 de novembro e algumas pessoas que não vão aos cemitérios há algum tempo poderão se deparar com mudanças realizadas. Um exemplo são nos túmulos cedidos pela Prefeitura, no Cemitério Santo Angelo. Eles receberam um acabamento melhor, também como forma de acalentar o coração de pessoas carentes, que não têm onde enterrar seus entes queridos, podendo contar com um túmulo com acabamento. Foi feita uma textura e uma reforma geral. No futuro, é desejo da Prefeitura colocar tampos de granito para o acabamento ficar mais bonito.

Foram realizadas limpezas e pinturas também no Cemitério Municipal, inclusive a parte externa dos Anjinhos – onde estão enterradas crianças pequenas e membros amputados.