VERSÃO IMPRESSA
anteriores
EM CAMPO LARGO 18º | 32º
Quinta-feira | 19 de Outubro de 2017 10:54

INTERVENÇÃO NEUROEDUCACIONAL 06/11/2014


Por: Michele

06/11/2014

Você, a essa altura, e depois dos textos das semanas passadas, já sabe que o cérebro comanda todos os órgãos do corpo. Sabe também, que a neuroeducação trabalha com as informações do sistema mental, que é construído pelo cérebro na medida em que vai este codificando a realidade. Dessa forma, hoje vamos entender mais sobre a intervenção neuroeducativa que nada mais é do que um composto de técnicas que permitem neuroprogramar as matrizes de inteligência, intervindo em áreas especificas do sistema mental, permitindo potencializar suas matrizes lógicas. Podemos dizer que a intervenção neuroeducativa é um processo que visa potencializar o uso do cérebro por meio de um processo educacional!

Nesse sentido, a neuroeducação vem trabalhando através de ferramentas capazes de intervir sobre as dificuldades de aprendizagem. Tais ferramentas possibilitam ao individuo atingir o seu potencial funcionalidade, transformando limitações em capacidades. Todo estímulo, seja interno como um pensamento ou externo, como as palavras, gestos ou algum acontecimento no meio ambiente desencadeia no cérebro uma representação interna da realidade. Com isto esta mistura do que acontece no meio ambiente com o que acontecem em nossa mente formam nossa percepção.

Goleman (1995) diz que o conhecimento que temos de nós mesmos, de nossos sentimentos ou intuição é fundamental para que possamos ter confiança, conhecendo nossos pontos fortes e fracos. Quando determinadas sensações tornam-se persistentes e frequentes podem impedir uma pessoa de levar uma vida normal, que gera alguma improdutividade nas suas habilidades, capacidades e ações.

A neuroeducação possibilita que o ser humano possa expressar-se livremente levando-o a sua genialidade. O trabalho terapêutico individualizado com a neuroeducação tem como objetivo principal dar possibilidades para que o sujeito possa se reorganizar em suas estruturas neurológicas, possibilitando que construções sinápticas sejam construídas ou organizadas a fim de fornecer-lhe, meios eficazes para sua total funcionalidade cerebral.

1443 visitas






Sua Opinião