VERSÃO IMPRESSA
anteriores
EM CAMPO LARGO 14º | 22º
Terça-feira | 12 de Dezembro de 2017 10:22

Greve Geral: Trabalhadores de Campo Largo fazem história


Por: Régis Luis Cardoso | Sindimovec

Uma ação baseada no livre pensamento. “A ideia foi realizar uma manifestação isenta de qualquer bandeira política ou ideológica, e com a participação dos mais variados atores sociais”, explicou Adriano Carlesso, presidente do Sindimovec. O dirigente sindical, que também é advogado, foi um dos responsáveis por desconstruir os itens das propostas de reforma da previdência e trabalhista aos campo-larguenses. Em cima de um caminhão de som, percorrendo os principais pontos do centro da cidade, metalúrgicos, professores, servidores públicos, advogados, religiosos e políticos; expuseram diferentes pontos de vista sobre o futuro da classe trabalhadora.

O roteiro começou logo cedo, às 8h, na da Praça do Museu (Rua Marechal Deodoro), com a instalação de uma barraca para distribuir material informativo sobre as reformas do governo federal, além de coletar assinatura contra a reforma da previdência. Na metade da manhã, uma multidão de aproximadamente duas mil pessoas iniciou as ações. Primeiro fizeram uma oração pedindo união entre os trabalhadores, depois percorreram a Rua Domingos Cordeiro, Rua Centenário, Rua Barão do Rio Branco e retornaram à Praça do Museu. As atividades continuaram com a abertura do microfone, no caminhão de som, aos cidadãos. A manifestação terminou no grande ato unificado, em Curitiba, ao lado de todas as centrais sindicais e sindicatos.


 

União
Para o Conselho Intersindical de Campo Largo as ações do dia 28 de abril unificaram ainda mais os trabalhadores. Segundo o que foi presenciado nas ruas, várias categorias e associações caminharam lado a lado com metalúrgicos, professores e servidores públicos. “Talvez tenha sido um ato histórico pela variedade na adesão. É importante para nós, trabalhadores, sabermos que a união nos fortalece e isso foi mostrado”, completa Carlesso. Uma das características do ato foi a diversidade de gerações que participaram dos protestos. Havia muitos estudantes, secundaristas, skatistas, etc.

O protesto no centro de Campo Largo foi promovido pelo Consindi, que é composto por Sindimovec, Sindicato dos Servidores Públicos da Administração Direta (SSPAD), Sindicato do Magistério Municipal (SMMCL), Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Porcelana (Sinpolocal), Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Cerâmica do Piso de Campo Largo e São Mateus (Sindipiso) e Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Cal Cimento e Gesso de Rio Branco do Sul (Simencal). As entidades são filiadas a Nova Central Sindical de Trabalhadores do Estado do Paraná (NCST) e receberam todo o apoio do presidente estadual da entidade, Denílson Pestana da Costa.

Paraná: de acordo com o portal de jornalismo Brasil de Fato, mais de 90 categorias de trabalhadores do Paraná aderiram à paralisação contra as reformas trabalhista e previdenciária do governo golpista de Michel Temer (PMDB). Cerca de 200 mil pessoas aderiam à greve em todo o estado.

1101 visitas








Sua Opinião





  • Por ze merenda - 08 Maio 2017 | 12h13min

    Gente , não há muito com o que se preocupar. Hoje em dia , do jeito que bebemos e comemos , não chegamos aos 50 tomando banho sozinho e mijando na cama. Deixa que façam o que quiser..